Campainha? Vizinho? O que tira seu pet do sério?

Compartilhe!

Campainha, moto ou o cachorro do vizinho? Nesta edição da série de dicas para cães agitados, vamos entender os gatilhos que atingem a emoção do seu amigo. Sabe aquela expressão contar até 10? Todos nós precisamos aprender a fazer essa matemática quando nos deparamos com algo na vida que nos deixa muito nervosos.

E olha que, mesmo assim, às vezes perdemos o controle, não é mesmo? Com os cães isso também acontece. São os chamados gatilhos: objetos, contextos, sons ou situações que disparam, dentro dos pets, o alarme para que as emoções aflorem.

Os gatilhos podem ser de muita empolgação ou muito pânico. Cães que enlouquecem com o barulho da campainha normalmente amam receber visita e não controlam a emoção. Já os pets que detestam barulho de moto podem já ter vivido alguma situação ameaçadora com o veículo. E tem até o caso das emoções misturadas: cachorros que não sabem se felicitam ou se espantam os outros cães, num misto de medo e alegria ao vê-los.

campainha-cachorro-medo

Campainha não será mais problema!

Assim que você identificar os gatilhos que deixam seu pet mais agitado, experimente o seguinte passo a passo:

1. Analise a situação em que o gatilho dispara: com o barulho muito alto ou muito
baixo (cães mais sensíveis)? Com o objeto, pessoa ou cão se aproximando, parado ou se afastando?

2. A que distância ou a que volume seu cãozinho perde o controle? Todas essas marcas vão te dar o chamado alerta vermelho: o ponto exato em que seu pet consegue ou não se controlar.

3. Sempre que possível, mantenha seu pet longe do alerta vermelho: em distância maior do que a que ele começa a latir de um determinado objeto ou seguindo na direção oposta ao objeto. Mantenha-o distraído assim que o barulho da campainha ou da moto começa a soar lá longe e ele ainda não identificou o som. Recompense seu amigo com petisco sempre que ele se controlar e chame-o para se afastar do gatilho em questão.

4. Identificar os gatilhos ajuda a entender também porque em alguns dias ele está mais enlouquecido enquanto em outros fica mais calmo. Quanto mais contato ele tiver com esses momentos de muita emoção, mais agitado ele pode permanecer ao longo do dia.

5. Chame as crianças para ajudar nesse treinamento. Não sabe como? Esse será o tema da nossa próxima coluna!

Veja também:



colunista-ana-alice-caoAna Alice Vercesi é jornalista que descobriu que se comunicava melhor com os bichos do que com as pessoas, escorregou para o empreendedorismo ao criar a Cão Vivência, uma empresa que oferece serviços de bem-estar e comportamento baseados na confiança e na diversão. Hoje tem como missão de vida fazer um mundo melhor para os pets e seus donos (nessa ordem).



Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *